terça-feira, agosto 28, 2007

Al dente

Em chamas encontro eu
E de olhar-te alastra mais e mais
Ardente que sou, estou
Assim, por ti.

E me queima quando encosto
em tua língua, suavizo o ardor
Enlouquecida, estou e sou
Assim, por ti.

Porque sou fogo incandescente
Incansável de arder-me em ti
Tocha insolente, al dente
Atrevo-me, sempre sua, sou.

Amanda Oliveira

2 comentários:

C@rLos T&r@dA disse...

Que bem que faz o amor!!Que bem faz amar!

CAVALEIRO ANDANTE disse...

Devidamente apresentado por este que me precede, tomo a liberdade de lhe dizer que esse seu poema é... não é... não sei se é ou não é, magnífico é pouco, muito mais que isso se eu dissesse ainda seria pouco, então só posso dizer que é simplesmente invejável!