segunda-feira, novembro 20, 2006

Anjo Negro

Sou sempre o que chega atrasado
Sempre o que escreve errado
Aquele que parte querendo ficar
Borboleta que não aprendeu a voar

Aquele de humor mal humorado
Olhos caídos e marejados
Braços abertos a esperar
Que não cansa de sempre chorar

Sou fraco, inútil e esquecido
Corpo cansado, curvado, estremecido,
Ofegante de correr sem chegar

Sou raso, insosso, despercebido,
Alma pesada, coração adoecido,
Esperando anjo negro chegar.


Dinha Oliveira

Um comentário:

Tatiana Mamede disse...

Lindo, denso, forte, quase palpável...lindo, lindo!


Beijos.