domingo, junho 18, 2006

Silêncio

Um silêncio que sufoca
Que agride e incomoda
Turvando o meu prazer

Um silêncio complacente
De uma mente delinqüente
Invadindo o meu ser

Um silêncio torturante
Que faz uso o militante
Nesta guerra do querer

Um silêncio arrogante
Tem nos olhos o meliante
Que me furta sem eu ter

Um silêncio provocado
Por um ódio mastigado
Que me fere sem saber

Um silêncio que escuta
Meus gritos de lamuria
Sem que nada possa fazer

Um silêncio que abriga
Os desejos de uma vida
Impedida de viver

Um silêncio não ouvisse
Se mil vezes surda fosse
Evitando mais sofrer...

Amanda Oliveira

2 comentários:

Tatiana Mamede disse...

Dinha???? Dinha???? Que lindo!
Nossa! Amei esse poema. Parabéns!

Vou ler mais.

Beijos.

Dinha disse...

Tatinha,

Brigadinha menina...

Bjocas